19 de nov de 2009

Fale com o Dr. Galvão

Psiquiatria-drgalvao@gmail.com
Naiade89@gmail.com

Projeto A Criança como Desafio

Atualmente, a preocupação com a criança adquiriu força, tanto no campo de educação quanto no da saúde. Entretanto, na cidade de Manaus, os serviços realizados por equipes multidisciplinares voltados para o atendimento de crianças como sujeito do processo são bastante escassos. Com relação à saúde, pensa-se em serviços específicos, locais exclusivos de atendimento e atenção à infância.


Fala-se muito em prevenção, porém ainda não se sabe tão bem o que é possível prevenir e o que não é. Devido a esta dificuldade no que diz respeito à prevenção, pode-se vislumbrar uma outra vertente de trabalho com a criança, isto é, a realização de um diagnóstico (ou hipótese diagnóstica) e intervenção precoces.Partindo de experiências adquiridas, inicialmente, na Sociedade Pestalozzi e também, no PAM-Codajás, verificou-se a necessidade de continuidade do trabalho e da ampliação do espaço de escuta para outros serviços voltados para o atendimento de crianças com dificuldades de desenvolvimento em decorrência do sofrimento físico, moral e psíquico.

O projeto a ser desenvolvido, a partir de uma perspectiva multidisciplinar, procura aproximar a psicologia, a medicina e essencialmente o saber psicanalitico, oportunizando, desta forma, à criação de um campo de estágio para os alunos desses cursos, proporcionado, assim, uma interação entre universidade e a comunidade.

A abordagem teórica utilizada é a psicanálise, e para esta não existe outro meio de realizar um tratamento, senão pela fala do paciente, pois, somente através da fala, existe a possibilidade de explorar os efeitos do inconsciente. Mas, há de se lembrar que o falar compreende mais do que a simples enunciação de palavras, o falar é um meio de atingir o outro e se fazer reconhecer por este, portanto, fala-se com o corpo, fala-se ao brincar (como também se brinca com o falar). Portanto, durante a terapia, deixa-se a criança livre para se expressar utilizando o desenho e o brinquedo e por meio desses instrumentos é possível detectar os distúrbios de linguagem e desenvolvimento e propor uma terapêutica baseada na construção do laço social dessas crianças, promovendo sua integração à escola, sociedade e família. O jogo e o brincar vinculam-se à constituição do sujeito, pois se torna protótipo de uma atividade simbólica e é por meio deste simbolismo que a criança com dificuldade de formular e expressar seu próprio discurso assume o discurso do outro, se apropriando deste como uma forma de identificação, de existir e de se expressar. Desta maneira, seu discurso não fala de seus desejos, mas dos desejos do Outro. A terapia oferece à criança uma forma de buscar seu próprio discurso, uma auteridade pessoal que a identifique como sujeito e a ajude a construir uma imagem sua e a expressá-la.



Dentro da experiência psicanalítica com crianças, o brincar é prática essencial, pois possibilita a expressão do desejo. Faz-se necessário salientar que no trabalho desenvolvido, não se dá ênfase ao brinquedo, pois a essência do processo do brincar não é o brinquedo, já que tudo pode servir para brincar. Só se pode falar em brinquedo, a partir do momento que a criança adquire a capacidade de diferenciar os objetos, um processo desenvolvido ao longo da terapia conforme a criança interage com as outras crianças e os terapeutas.

Na clínica psicanalítica é fundamental o conceito de transferência, processo que servirá como base para a condução do tratamento. Segundo Freud (1895), transferência seria a reedição de toda uma série de experiências psíquicas prévias, não como algo passado, mas como vínculo atual com a pessoa do médico permitindo identificar uma origem, no passado da criança, que possa ter desencadeado as dificuldades que ela apresenta hoje, o que é imprescindível para a condução correta da terapia e o tratamento. O público alvo passa a ser constituído por todas as crianças que procuram os serviços de psiquiatria já citados, sendo atendidas individualmente e/ou em grupo, dando continuidade ao trabalho voltado para a disponibilização de um espaço de escuta. Ao longo do trabalho, os pais serão solicitados a comparecer às instituições para obtenção de dados suplementares, através de encontros que poderão ser realizados individual ou coletivamente.

Todo esse processo propicia aos alunos da instituição uma oportunidade de contato e trabalho com crianças, adquirindo experiência e segurança na relação com indivíduos e a compreender a problemática infantil característica de nossa sociedade.

Com relação aos diagnósticos, estes não serão realizados sem que o contato com a criança tenha se iniciado, já que, de acordo com a abordagem psicanalítica, o diagnóstico tem como base à relação transferencial. Semanalmente, discentes e docentes se reunirão para a discussão de casos, leituras e supervisão. Pretende-se realizar encontros com especialistas em desenvolvimento infantil

Projeto Psicanálise na Cultura

Na cidade de Manaus não há nenhuma Escola de Psicanálise de orientação Lacaniana que contribua para a transmissão do saber psicanalítico dentro e fora do âmbito universitário, que fomente pesquisas em torno de temáticas psicanalíticas e que favoreça uma transferência de trabalho indispensável à produção de um novo saber. Com este projeto pretende-se fazer apelo aos alunos e professores dos mais diversos cursos e das mais diversa universidades para participarem do mesmo e a darem a sua contribuição segundo a lei do Seminário, assim como convidar analistas de outros estados para falarem de suas experiências na transmissão e na produção do discursos psicanalítico. Não apenas isso, utilizando esse saber compartilhado, o projeto o aplica na análise e tratamento das crianças atendidas pelo serviço de Psiquiatria do Ambulatório Araujo Lima ampliando as experiências adquiridas no auxílio do tratamento dessas crianças.


Além disso, a maior justificativa para a existência de um projeto dessa natureza reside na multidisciplinaridade que ele alimenta, na renovação do saber que defende, no dialogo que é proposto, na abertura de caminhos de leituras intertextuais, numa defesa da ética do desejo que possibilita a leitura de qualquer texto à luz do saber analítico. Além de abrir novos campos de estudos e trabalho para alunos da Universidade Federal do Amazonas e de outras instituições.

Este projeto, fruto de um desejo, está voltado para a defesa a todo custo do desejo de desejo: "O desejo de desejo, no sentido lacaniano ou analítico, é o desejo do Outro de uma maneira muito mais, fundamentalmente, aberta a uma espécie de mediação". (Lacan). Para tanto a relação dialética entre teoria e prática é de fundamental relevância, uma vez que a Psicanálise é uma práxis. Para fazer valer a orientação lacaniana mantida e defendida pelo projeto, temos sempre com referencial este dito de Lacan : "afirmamos, quanto a nós, que a técnica não pode ser compreendida nem corretamente aplicada, portanto, quando se desconhecem os conceitos que a fundamentam. (...) Ponto em que notamos que, para manejar qualquer conceito freudiano, a leitura de Freud não pode ser supérflua, nem mesmo quanto àqueles que são homónimos de noções correntes.
 
É pela via do discurso que este projeto pretende manter o diálogo do real (o impossível), uma vez que não se pode ignorar que há certas que não se inscrevem no inconsciente. Partindo da fórmula de Espinosa: "O desejo é a própria essência do homem", o Projeto Psicanálise na Cultura pretende realizar uma crítica permanente aos filósofos de um modo geral pela exclusão e desvalorização do desejo humano. Em nossa prática com crianças, reconhecemos no Brincar e no Desenho, passagens pela escritura do desejo. E criticamos uma série de abusos que se cometem em nossa cidade ao se medicalizar as nossas crianças da mesma forma que se faz com os loucos nos manicômios.
 
O projeto quer reconhecer as manifestações do desejo e denunciar as formas de gozo perverso em nossa cidade e que atuam no campo médico disfarçadas de terapia. Para o trabalho de acompanhamento psicoterápico, será usada a escuta psicanalítica. Essa escuta privilegia única e exclusivamente a fala do paciente, não cabendo ao terapeuta colocar material seus no tratamento, o material a ser trabalhado no decorrer da psicoterapia deve ser somente aquilo que é trazido pelo paciente e toda intervenção- seja interpretação, escanção, pontuação- é feita a partir da fala do paciente através dos conteúdos levado à sessão. Esta escuta deve estar livre de qualquer anseio da parte do terapeuta ou acompanhante clínico. Em razão da psicanálise enfatizar a palavra, o melhor meio de difundir e transmitir o saber psicanalítico é por meio como palestras e seminários, onde o principal instrumento é a palavra e outros recursos são apenas secundários. Contudo, essa transmissão somente se sustentará se houver produção e essa produção se efetivar com a articulação entre estudo teórico e prática clínica, daí a importância do acompanhamento clínico, dos grupos de estudos e da realização de trabalhos científicos. O êxito desta transmissão também depende do intercâmbio com outros profissionais do país, pois com eles é possível manter a atualidade daquilo que vem sendo produzido no campo da Psicanálise no mundo todo.