22 de nov de 2010

Os Escritos Técnicos de Freud - 20/11/10

Continuação do CASO DICK com a participação especial de Dinara Guimarães.

 - Melanie Klein afirma ver "sintomas típicos" de uma demência precoce (termo em desuso, atualmente psicose esquizofrênica), excluindo uma doença orgânica;
- A neurose foi descoberta (o que é correto);
- Contra o diagnóstico de demência precoce: o desenvolvimento comprometido, a inibição e não regressão, além da esquizofrenia ser extremamente rara no início da infância;
- Ainda assim, Klein insistiu neste diagnóstico, ampliando-lhe para toda a infância;
- Rising (surgindo) -> A ansiedade (um sinal);
- A criança projeta sua agressividade nos objetos, se sente ameaçada, então ocorre a ansiedade;
- Todo o problema de Dick gira em torno da capacidade de simbolizar;

Nesse seminário, Lacan confunde a realidade (construída) com o real, dizendo que Dick vive na realidade.

"El vit dans realité." Pg. 82 

- Klein não construiu uma teoria do ego, do imaginário, etc., mas reconhece-se sua grande ousadia de falar com essa criança;
- Klein emprega o termo pré-maturação para dizer que Dick já atingiu, de algum modo, o estágio genital (como os kleinianos explicam isso?);
- Dick não assume, não pode estar no estágio genital;
- O trabalho de Klein gira em torno do sadismo como fundamental para o desenvolvimento de toda fonte de prazer genital;
- No caso de Dick, tal capacidade (o sadismo) não estaria bem desenvolvida;
- Lacan contradiz o que disse na pg. 82 falando que para Dick a realidade está bem fixada, pois ele não pode fazer idas e vindas;
- O VAZIO E O PRETO (o que Dick distingue);
- Hiância -> produzir o que é humano;
- Dick diz "poor Melanie Klein" ao vê-la com uma roupa um pouco despedaçada e nisso se encerra a resistência;

A TÓPICA DO IMAGINÁRIO

- Título ambicioso;
- Evoca o caso de Dick como sintetizável, pois mostra de maneira reduzida os grandes termos (imaginário, simbólico, real);
- Lacan confunde o registro da realidade com o real;
- Lacan desenvolve esses três trópicos, remetendo-se ao caso Dick;

O importante não é só compreender, mas não compreender e buscar pela compreensão (o que conta ao tentar se elaborar uma experiência);

- A dimensão do real suscita a incompreensão;
- "Comentar um texto é como fazer uma análise", diz Lacan;
- Interpretar e compreender não é muito a mesma coisa;
- Às vezes o texto dá impressão de que se sustenta, mas apenas à custo de ladainhas (maturação instintiva);
- O simbólico não é a linguagem;
- O eixo do imaginário -> temor ansioso;
- Modelo Ótico -> diverisdade de imagens;
- No gráfico de Freud o termo correto seria impressão e não percepção;
- Em matéria de ótica nunca sabemos a diferença entre o subjetivo e o objetivo;
- O arco-íris é um fênomeno subjetivo quando registrado em foto se torna objetivo;

Considerações de D. Guimarães:

Quando convidada a participar da palestra, principalmente para responder às críticas observadas pelo Dr. Galvão ao Seminário I, de Lancan, D. Guimarães foi muito clara ao relatar todas as condições do material publicado, incluindo a situação limitante pelo próprio modelo de seminário, e demais motivos que podem ter levado Lancan a tais possíveis falhas de compreensão. 
Dinara cita o fato de que as transcrições da obra podem ter sofrido muitas modificações, além disso, faz uma comparação com alguns escritos não oficiais dos seminários que a mesma possui, e afirma suas diferenças, propondo que alguém faça esse minucioso trabalho de comparação, afim de abrir luz à muitas dúvidas frequentes de tradução e transcrição, como tanto expõe o Dr. Galvão ao dizer que é preciso deter a cópia na língua original dos exemplares, mas não somente. 
Dinara também explica a aplicação do Modelo Ótico, tudo isso sob um agradável clima de debate com Dr. Galvão e demais participantes da palestra. Agradecemos a sua participação e deixamos em aberto o convite para mais momentos como esse.

Psicanálise & Cinema - Inauguração


Na manhã de sábado do dia 21 de novembro de 2010, foi realizado o evento de abertura  (Manhã Cultural Padre Luiz Ruas) do projeto PSICANÁLISE & CINEMA, supervisionado pelo Prof. Dr. Galvão, na Faculdade de Medicina (UFAM). 
Quem foi o Padre Ruas?
Cinéfilo, Padre e Poeta, Luíz Ruas beneficiou a sociedade amazonense com sua contemplação a arte e culto ao inovador.  O Projeto “A Psicanálise e o    Cinema” inaugura suas atividades  homenageando Luiz Ruas e apresentando um espaço de lazer e cultura aos estudantes e sociedade amazonense em geral

Como foi o evento?

O evento homenageou a memória e o ímpeto pioneiro deste ousado cidadão manauara que prestou suas habilidades criativas à constituição da identidade cultural Amazonense. O encontro objetivou discutir enredo e cenas acerca do filme erguendo questionamentos em geral sob a abordagem da Psicanálise e Psicologia, bem como, das diversas áreas do conhecimento concernentes às ciências humanas.

Participação especial de Dinara M. Guimarães

Importante presença na Manhã Cultura foi a de Dinara Machado Guimarães, Psicanalista e Doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ; autora dos  livros em psicanálise e cinema: Voz na luz e Vazio Iluminado: o olhar dos olhares.

Dinara participou inclusive, com relevantes contribuições, do projeto Psicanálise na Cultura, no sábado à tarde do mesmo dia, onde foram debatidos alguns possíveis equívocos de Lacan e, ainda, o caso Dick, de Klein.

Confira mais no próximo tópico específico do mini-curso Os Escritos Técnicos de Freud.