28 de nov de 2010

Os Escritos Técnicos de Freud - 27/11/10

Aprofundamento do CASO DE DICK

- Dr. Galvão defende que Dick é autista e deixa um convite em aberto para que outros venham discutir sobre isso;

- Melanie Klein consegue distinguir Dick de todas as crianças neuróticas, pela falta de ansiedade aparente e ele olha a Melanie Klein como se fosse um móvel, o que é típico de um autista;

- Melanie Klein não distingue bem introjeção de projeção; 

- A Dra. Gélinier critica, durante o seminário, Klein, se espantando com suas posições;

- Em Dick, vemos bem que há ESBOÇO de imaginificação, se é que posso dizer isso, do mundo exterior. Lacan Página 99);

- Não há em Melanie Klein nem teoria do imaginário, nem teoria do ego. Pois tudo para ela se situa no unreal reality (num plano de igual realidade) o que não permite conceber, com efeito, a dissociação dos diferentes sets de objetos primitivos;

- Estamos com Dick ao nível do apelo. O apelo toma o seu valor no interior do sistema já adquirido da linguagem. Ora, o de que se trata é que essa criança não emite nenhum apelo. O sistema pelo qual o sujeito vem se situar na linguagem é interrompido ao nível da PALAVRA;

- Ao apelo humano está reservado um desenvolvimento posterior, mais rico, porque se reproduz justamente num ser que já adquiriu o nível da linguagem;

- A palavra não chegou a ele. A linguagem não envolveu o seu sistema imaginário, cujo registro é excessivamente curto - valorização dos trens, dos botões das portas, do lugar negro. Suas faculdades, não de comunicação, mas de expressão, estão limitadas a isso. Para ele, o real e o imaginário são equivalentes;

- A partir do Caso de Dick e utilizando as categorias real, do simbólico e do imaginário, mostrei-lhes que pode acontecer que um sujeito que dispõe de todos os elementos da linguagem, e que tem a possibilidade de fazer certo número de deslocamentos imaginários que lhe permitem estruturar seu mundo, não esteja no real. Porque não está? - unicamente porque as coisas não vieram numa certa ordem. A figura no seu conjunto está pertubada. Não há meio de dar a esse conjunto o menor desenvolvimento. Lacan Página 105);


PRÓXIMO SÁBADO - Discussão do Caso de Roberto.